segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Em inglês fica mais chique?

Calma, people, antes que vocês pensem que tenho aversão a estrangeirismos ou que defendo a “pureza” de nossa língua, não é nada disso, só acho engraçada essa nossa mania de querer fazer merchan usando o inglês por impulso como se isso acrescentasse qualidade ou importância ao produto.

A que se deve esse papo agora? A que no outro dia fui até um camelô à procura de algo particular, que eu não sabia como se chamava. Quando não sabemos o nome de algo, a atitude comum é descrevermos o objeto para facilitar o entendimento, não?

Pois então cheguei até o moço da barraca e lhe perguntei:

— O senhor tem aquele “negócio” que se prende ao braço para carregar o celular durante as caminhadas?

O rapaz me olhou e me disse com a maior naturalidade do mundo:

— Ah, o armband? (claro que ele disse isso com o nosso sotaque tupiniquim “armibandi”).

Engoli em seco, pensando “somente eu não sabia disso?” e respondi:

— Pode ser um armibandi (achando tudo aquilo muito cômico).

Aí, me lembrei de uma ocasião em que estávamos passeando em família com nosso cachorrinho, quando um rapaz se aproximou e me disse:

— Olá, eu sou Dógui Uálker!

E eu respondi:

— Pois não, sou Diana Sorgato...

Só então caiu a ficha... ele era um dog walker oferecendo seus serviços de passeador de cachorro!

Então me lembrei da designer de sobrancelhas, do personal trainer, do CEO, do coach, do brainstorming, do delivery, do outlet, ou mais recentemente, do black Friday, aff...

Foi aí que bateu uma saudade das Organizações Tabajara e procurei na internet alguns dos produtos revolucionários que ofereciam. Eis alguns deles:

  • Camapulta Tabajara: Instrumento destinado àqueles que se embriagaram e, sem perceber, foram dormir com uma mulher feia. O instrumento consiste numa catapulta que atiraria a parceira longe.
  • Maridocard: Cartão de milhagem para maridos. Trocar fraldas dá 5 pontos, levantar a tampa da privada 10, e com 1500 é possível mandar a esposa e a sogra para a colônia de férias no Iraque.
  • Meleca Disfarceitor: Uma cobertura de papelão, para limpar o nariz no trânsito sem ser percebido pelo carro do lado.
  • Dog Bimbada Repeleitor: Para cães no cio pulando em sua perna, um conjunto de espetos de ferro para ele se traumatizar e fugir.

Então, nada contra o inglês, mas que tal praticarmos um pouco mais o português? Por que não “braçadeira para celular”? Será que o preço cai?

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Traducir lenguaje figurado

pt.babbel.com
Tras un período de mucho trabajo, por fin tengo un tiempo disponible para escribir en el blog. En esta ocasión, pretendo hablar sobre el reto de traducir lenguaje figurado. Básicamente el lenguaje humano es una herramienta que permite la comunicación a través de palabras. Las palabras cuentan con dos «caras»: la parte material o la forma (significante) y la imagen mental que este signo nos sugiere (significado). Y aun debemos añadir un tercer elemento que es el referente, es decir, el elemento al que se refieren el significante y el significado. No es lo mismo la palabra que designa un referente que el referente en sí.

Así en la palabra bicicleta, por ejemplo, el significante son las letras y fonemas que componen la palabra «bicicleta» y el significado es la imagen mental «Vehículo de dos ruedas de igual tamaño cuyos pedales transmiten el movimiento a la rueda trasera por medio de dos piñones y una cadena», y el referente es la bicicleta «en persona».

Un aspecto muy interesante del lenguaje son las relaciones entre forma y significado. Las palabras muchas veces sobrepasan el significado objetivo y expresan un significado subjetivo. El lenguaje figurado es aquel por el cual una palabra expresa una idea en términos de otra, apelando a una semejanza que puede ser real o imaginaria. Así se amplía el sentido de la palabra, creándose una asociación simbólica, figurada; mediante la comparación, la metáfora.

En todos los idiomas hay usos figurados que están íntimamente vinculados a la cultura y a las costumbres locales. Cuando llueve mucho, en español se dice que llueve «a cántaros» aludiendo a la imagen de un jarro que vierte agua; en portugués se dice que llueve «canivetes» (navajas); y en inglés, se dice «t´s raining cats and dogs», aludiendo a la imagen de los perros y gatos que bajan de los tejados y terrazas para refugiarse de la lluvia. Otro ejemplo interesante, es la expresión «hablar como una cotorra o como un loro», que en alemán se convierte en: «wie ein Wasserfall reden» (literalmente, hablar como una catarata). O, aun, la expresión «Antes se coje a un mentiroso que a un cojo» que en alemán, italiano y portugués, se convierten en mentira y piernas cortas, respectivamente: «Lügen haben kurze Beine» (literalmente, mentiras tienen piernas cortas); en italiano «Le bugie hanno le gambe corte»; y en portugués, «mentira tem perna curta». Para el traductor, el lenguaje figurado es una fuente de problemas, ya que no se puede traducir literalmente. 

La primera dificultad consiste en identificar la palabra o expresión figurada, darse cuenta de que el sentido no es el literal, lo que no siempre es tan obvio como puede parecer. Luego hay que conocer la cultura local para interpretar su significado. Y una vez que entendemos su significado, debemos buscar un correspondiente en la lengua meta.

Una expresión figurada no siempre tiene sentido fuera de su contexto de origen. Aún sobre el tema del clima, en inglés australiano, por ejemplo, hay una expresión muy pintoresca que dice «hotter than a shearer's armpit» («más calor que en la axila de un esquilador», lo que contradice fuertemente la famosa frase de Oscar Wilde «Las conversaciones sobre el tiempo son el último refugio de la falta de imaginación»). Sería muy difícil interpretar el significado de una expresión como esta en un lugar en que no existan ovejas ni esquiladores. La expresión «haber moros en la costa» que sirve para recomendar precaución, tiene sentido en España debido a la dominación musulmana que se extendió por ocho siglos, sin embargo, no tiene ningún sentido en Brasil. Aquí, tal vez podría funcionar algo como «tem boi na linha» (hay buey en el ferrocarril) para indicar que hay un intruso, alguien que no debería estar ahí.

Otra expresión con la palabra «moro» en España «A moro viejo, no aprendas algarabía» es una expresión antigua en desuso, en que «aprender» equivale a enseñar y «algarabía» designa la lengua árabe que se hablaba en los territorios cristianos y que por extensión también significa gritería confusa de personas que hablan a la vez. Dicho de otra forma, significa que «no debemos pretender enseñar algo a quien es maestro en la materia». En portugués se dice «não ensine o padre a rezar missa» (no enseñes al cura a rezar la misa) o en una forma más arcaica «não ensines o padre-nosso ao vigário» (no enseñes el padre nuestro al vicario).

Otro ejemplo, ahora de metáfora: para los españoles, una pareja que se pasa todo el día pegada  o las personas excesivamente inoportunas o insistentes son unas «lapas»; mientras que para los brasileños, son unos «carrapatos» (garrapatos). Cuando los españoles oyen algo y no entienden nada, dicen que «suena a chino»; a su vez, los alemanes dicen que «suena a español». En español, cuando uno acierta en lo que dice o hace, se dice «dar en el clavo»; en portugués, «acertar na mosca». Mientras en portugués se dice «a preço de banana» para indicar algo que cuesta muy barato; en español, se dice «a precio de ganga». En español, cuando una persona es capaz de corromper a los que están a su alrededor se dice que es una «manzana podrida»; en portugués, es una «laranja podre» , y así por adelante. Es decir, en cada contexto se utilizan asociaciones distintas para expresar las mismas ideas, entonces la clave sería concentrar nuestros esfuerzos en la idea que se desea expresar, ¿no?

A menudo me encuentro con expresiones o palabras de uso figurado que a la hora de traducir no tienen sentido si se traducen literalmente y muchas veces es difícil encontrar un correspondiente en la lengua meta, o simplemente no existe. En esos casos, debemos apelar a nuestra creatividad para encontrar soluciones que logren producir en el público objetivo el efecto más próximo posible al generado en el original. ¿Pan comido?



quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Erro de tradução fresquinho


Como polêmica pouca é bobagem, já não bastassem os recentes burburinhos provocados pela premiação com o Nobel da Paz ao presidente colombiano que firmou acordo com as Farc e a premiação do cantor Bob Dylan com o Prêmio Nobel de Literatura, agora mais esta: Trump é eleito presidente dos Estados Unidos.

Polêmicas à parte, o que me fez dar uma fugidinha do trabalho para vir até aqui foi um erro de tradução recém-transmitido no Jornal Hoje. Justiça seja feita, este foi logo corrigido após os comerciais. Mas o estrago já estava feito, não sou daquelas que se regozija com os erros alheios, mas vale a pena comentar, porque num contexto por si só tão polêmico, todo cuidado é pouco. Traduções feitas às pressas podem causar muita dor de cabeça...

Enfim, a apresentadora Sandra Annemberg comentava a reação dos famosos nas redes sociais à vitória de Donal Trump, quando apareceu no vídeo uma foto publicada na rede por Lady Gaga, onde esta segurava um cartaz que dizia “Love trumps hate”, traduzida pelo telejornal como “Ame o ódio a Trump”.

Após os comerciais, sobrou para Evaristo Costa comunicar o erro e dizer que a tradução correta da frase exibida por Lady Gaga é “O amor supera o ódio” . Uma grande diferença, não? 

Veja a matéria na íntegra:

http://g1.globo.com/jornal-hoje/edicoes/2016/11/09.html#!v/5437291

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Píldoras de español: prójimo y próximo


En español, a diferencia del portugués, tenemos el par «prójimo» y «próximo», que son parónimos, pues se escriben de forma parecida pero significan cosas distintas.

«Prójimo», con jota, significa «individuo cualquiera» o «semejante» bajo una perspectiva de solidariedad; y «próximo», con equis, es un adjetivo que significa «cercano», o aun, «siguiente, inmediatamente posterior». En português se escribe siempre con equis.

Ejemplos:

Jesús nos enseñó que debemos amar a nuestro prójimo como a nosotros mismos. 

Me faltan dos páginas para el próximo capítulo.

El pueblo más próximo se sitúa a 25 kilómetros de aquí.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

¿Destripe?


Há algo mais irritante que alguém que revela o final de um livro ou de um filme? É preciso ser muito ingênuo, um Bob Esponja da vida, ou muito filho da mãe para estragar a experiência do leitor ou do espectador... Pior que uma vez deparei com um atendente de videolocadora que contava o final do filme que a gente escolhia, parece coisa de humor-negro, mas é real.

Confesso que acho que já cometi esse pecado, por ingenuidade, não por maldade, quando achava que uma resenha literária era uma espécie de resumo, mas agora já aprendi a lição, também aprendi que uma coisa é um preview ou um trailer e outra coisa é um spoiler... Aff, por que tantos termos em inglês? Não sou contra o uso de anglicismos, ou de qualquer outro estrangeirismo, mas também é bom praticar o português de vez em quando. 

No mínimo, convém procurar os significados dos estrangeirismos para usá-los com consciência e no contexto adequado. Também vale procurar a pronúncia correta para não pagar mico e pronunciar schedule (programação) como “chedule” em lugar de “skédiul” como aconteceu comigo quando trabalhei, há muito tempo, numa agência de turismo.

Fiquei curiosa para saber como os espanhóis traduzem spoiler, porque eles são muito escrupulosos e conservadores na questão de estrangeirismos, há quem os acuse de xenófobos,  antes acho que se trata de orgulho. Não vejo como um defeito, mas como uma forma de se obrigar a se virar com os próprios recursos. A atitude corrente dos espanhóis, principalmente os profissionais da língua, é encontrar correspondentes na língua materna ou então espanholizá-los, adequando sua pronúncia e escrita.

Fiz uma busca na rede e como não podia deixar de ser, efetivamente, há recomendações da Fundéu para usar “destripe” em lugar de “spoiler”; assim como para usar “avance” em lugar de “preview” e a forma espanholizada “tráiler”, com acento, em lugar de trailer.

Destripe já se encotra no dicionário da RAE com o sentido de:  
                                
coloq. Interrumpir el relato que está haciendo alguien de algún suceso, chascarrillo, enigma, etc., anticipando el desenlace o la solución.

A forma espanholizada, tráiler, com acento também aparece no mesmo dicionário como sinônimo de avance (fragmentos de película).

Por sua vez, avance aparece como: 

m. Cinem. Fragmentos de una película que se proyectan antes de su estreno con fines publicitarios.

Dos três vocábulos, o que mais me chamou a atenção é “destripe” que deriva do verbo “destripar”, que significa literalmente extrair as tripas, no sentido figurado as tripas são o desenlace do enredo. De qualquer modo, o substantivo "destripe" está bem longe de ser uma unanimidade, há quem defenda o uso do anglicismo tal como é, e também há quem defenda o uso de uma forma espanholizada "espóiler". Enfim, quem quiser agradar a gregos e troianos pode optar por uma forma menos polêmica e mais literal como "desvelar el final".

Em português, encontrei o substantivo “desmancha-prazeres” como tradução de “spoiler” que, sem dúvida, qualifica bem aquele que revela o final de um filme ou livro, e para a ação em si, “revelações de enredo”. 

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Falso amigo: "exquisiteces"


Pela figura acima, observamos que as "tapas" — os famosos petiscos servidos nos bares espanhóis — são exemplo de "exquisiteces". Por sua vez, em português, o ornitorrinco é um bom exemplo de "esquisitice", afinal, que bicho é esse? É um pato? Um castor? 

Em português, esquisitices são coisas que se destacam por sua raridade, excentricidade, por sua aparência exótica, e por vezes, desagradável.

Em espanhol, exquisiteces são coisas que se destacam por sua delicadeza, qualidade, primor e requinte. Na área da gastronomia, são manjares, especialidades e delícias.

Este falso amigo tem sua origem no latim, exquisitus, particípio passado do verbo exquiro, -rere, que significa “procurar com diligência”, “obter aquilo que se deseja”, “tirar ou extrair o que se quer”.

Essa palavra está registrada na língua espanhola desde 1438, e Antonio de Nebrija já se referia a ela em seu Diccionario latino-español: “Mas es menester una templança: que ni sean espessas: ni manifiestas: por que ninguna cosa es mas odiosa que lo exquisito”.

O verbo é composto pelo prefixo ex-, que significa “para fora”; e quæro, que significa “buscar, procurar, desejar”. Por tanto, exquisito era para os latinos “algo procurado diligentemente, escolhido, extremado, distinto”, em outras palavras, algo especial que não se encontra por aí, dando sopa.

Com o passar do tempo e com a evolução das línguas, em espanhol, o vocábulo adquiriu um sentido elogioso, passando a designar aquilo que se destaca pelo requinte, refinamento; enquanto no português este vocábulo adquiriu um sentido pejorativo, passando a designar aquilo que se destaca pela estranheza, por ser desagradável.




terça-feira, 18 de outubro de 2016

Análise contrastiva: uso de artigo diante de nomes próprios ES-PT


Hace tiempo que no publico nada en español en el blog, es que el portugués está tan arraigado en mí, que me parece la cosa más natural del mundo escribir en esa lengua. Pero bueno, vamos al grano: hoy voy a hablar un poco de la diferencia de uso del artículo definido ante nombres propios en portugués brasileño y en el español peninsular. Es importante hacer esas aclaraciones, ya que hay tantas variantes… que uno tiene que atenerse a aquello que le es más familiar.

En Brasil, se suele usar el artículo delante de nombres propios de persona en la oralidad, cuando se desea indicar familiaridad, intimidad.

— Eu pedi para a Joana me emprestar seu livro.

— Você ligou para o César?

— O Ronaldo e a Márcia vão se casar em dezembro.

Cuando uno no tiene una relación íntima con la persona a quien se refiere, se suelen usar  las formas seu/dona o senhor/a:

O seu Joaquim telefonou há meia hora.

No se usa artículo delante de pronombres de tratamiento, excepto en la oralidad.

A dona Verônica pediu para marcar uma reunião esta tarde.

Las expresiones de tratamiento, senhorsenhora y senhorita son las únicas que admiten artículo, pero no cuando son vocativos, es decir, cuando nos dirigimos a la propia persona.

Sin embargo, en Brasil, es obligatorio el artículo ante nombres de empresas.

A LATAM, fundada em 2012, é resultado da consolidação entre a TAM e a LAN.

Cogita-se a venda da Petrobras.

En España no se suele usar artículo ante nombre propio de persona; tan solo en el lenguaje popular, sobre todo rústico, con los nombres de pila: el Andrés, la Juana. Este uso se ha calificado de familiar o coloquial: la María, el Antonio. Más generalizado está el uso del artículo definido con apellidos de mujer: la Garbo, la Callas, la Thatcher.

Se usa el artículo determinado ante nombres de pila cuando se les añade complementos restrictivos:

El Miguel que conocí no era tan terco.

¿Ya te conté sobre el Hans que conocí en Berlín?

También se admite el artículo, cuando un nombre propio de persona se usa en sentido genérico, admite el artículo:

La dinastía de los Borbones.

Felicita a todos los Pepes de la casa.

Tampoco se usa, en España, artículo ante nombres de empresas:

LATAM es un grupo empresarial  formado oficialmente en 2012, tras concretarse la oferta de intercambio de acciones entre LAN Airlines y TAM Líneas Aéreas.

Petrobras dividió los campos que ha puesto a la venta en dos paquetes.

Natura es fabricante y comercializadora brasileña de productos de belleza y cuidado personal.

Sin embargo, si el nombre de la empresa incluye el artículo, este deberá mantenerse.

Los Pollos Hermanos es una cadena de restaurantes de comida rápida especializada en pollo frito. 

hispanoteca.eu
www.linguabrasil.com.br
educacao.uol.com.br


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Objeto direto preposicionado para evitar ambiguidade

Em espanhol, quando o objeto direto é uma pessoa ou um ser animado é sempre preposicionado:

Saludé a mis amigos.

No encuentro a mi gato.

El curso capacitó a una centena de profesionales.

Los profesores conocen bien a sus alumnos.

A ausência ou presença de preposição também muda o significado da mensagem:

Busco una traductora de español (qualquer tradutora de espanhol).

Busco a una traductora de español (uma em particular).

Em estruturas em que o sujeito e o objeto direto são permutáveis e que por isso podem gerar ambiguidade, colocamos a preposição "a" para distinguir o objeto do sujeito.

La virtud vence al vicio.

Em português, também temos casos em que o objeto direto deve, sim, ser precedido de preposição. Um desses casos é para evitar ambiguidade.

Observe as frases abaixo e veja como elas mudam de sentido se retirarmos a preposição:

Ama tua pátria como a teu pai.

No exemplo acima colocamos a preposição depois da conjunção comparativa para esclarecer que o sujeito deve amar sua pátria tanto quanto ama seu pai (aqui o pai é paciente da ação do verbo). Se tirarmos a preposição, estaremos dizendo ao sujeito que ele deve amar sua pátria da mesma forma que o pai a ama (aqui o pai é agente da ação do verbo).

Ele me olhou como a um bicho estranho.

Outra vez para esclarecer uma estrutura comparativa. Se retirarmos a preposição, estarei dizendo que ele me olha do mesmo modo que um bicho estranho me olharia.

Porque eu o conheço melhor que a meu pai.

Também uma construção comparativa. Com a preposição eu o conheço melhor do que conheço meu pai, e sem a preposição, eu o conheço melhor do que meu pai o conhece.

Essa gente que a ninguém escuta.

Aqui colocamos a preposição diante do pronome indefinido para esclarecer que essa gente é o sujeito que não escuta ninguém. Sem a proposição, ninguém seria o sujeito que não escuta essa gente.

É possível saber o desfecho desta luta se dissermos "o gladiador o leão matou"?
Para evitar a ambiguidade em construções sintáticas inversas como no exemplo acima, é preciso colocar a preposição 'a' diante do objeto para distingui-lo do sujeito. Se dissermos "ao gladiador o leão matou", o leão vence; se dissermos "o gladiador ao leão matou", o gladiador vence. 

Da mesma forma, nas frases abaixo a preposição serve para distinguir o objeto do sujeito em frases em que construções sintáticas inversas:

Humilhava o garoto à irmã.

O pai que ao próprio filho não conhece.

Vence o mal ao remédio.

Saudou ao mestre a plateia.

O aluno ao professor desrespeitou.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Ambiguidade no uso do pronome relativo "que"

Reuni aqui algumas explicações de gramáticos e de um site de consultas gramaticais, o Ciberdúvidas, sobre um assunto bastante espinhoso tanto na língua portuguesa quanto na língua espanhola, que é a ambiguidade no uso do pronome que quando há mais de um antecedente. Como resolver essa ambiguidade? Devemos colocar vírgula ou não? O que fazer?

Sabe-se que o pronome relativo que pode iniciar orações adjetivas restritivas e orações adjetivas explicativas.

As adjetivas restritivas nunca se antecedem de nenhum sinal de pontuação “Recebi um e-mail de minha irmã que mora em Madri”. Nesse período, podemos afirmar que a pessoa que fala tem no mínimo dois irmãos, uma que mora em Madri e outro(a) que mora em outro lugar. O substantivo irmão neste caso tem seu sentido restrito pela oração adjetiva restritiva “que mora em Madri”.

Por sua vez, as adjetivas explicativas sempre se antecedem de vírgula (ou travessão ou, ainda, parêntese), “Recebi um e-mail de minha irmã, que mora em Madri”. Nesse período, podemos afirmar com segurança que a pessoa que fala tem somente uma irmã, a qual mora em Madri. A vírgula está adicionando uma explicação, um detalhe que se deseja realçar, por meio de uma oração adjetiva explicativa.

No entanto, quando há mais de um antecedente, ou quando o que não está junto de seu antecedente, pode ocorrer ambiguidade, vejamos abaixo algumas formas de resolver essa ambiguidade.

Segundo Evanildo Bechara, em seu livro Moderna Gramática da Língua Portuguesa:

Posição do relativo – Normalmente o que vem junto do seu antecedente; quando isto não se dá e o sentido da oração periga, desfaz-se a dúvida com o emprego de o qual, de e este ou se repete o antecedente, ou se põe a vírgula para mostrar que o relativo não se refere ao antecedente mais próximo:

“Mas ele tinha necessidade de sanção de alguns, que [isto é, sanção e não alguns] lhe confirmassem o aplauso dos outros” [MA. 1, 138].

“Arrastaram o saco para o paiol e o paiol ficou a deitar fora” (CN. 1, 12].

Poderia também dizer o autor:

Arrastaram o saco para o paiol que ficou a deitar fora.
Arrastaram o saco para o paiol o qual ficou...
Arrastaram o saco para o paiol e este ficou...

Note-se como Camilo evita o equívoco nesta passagem:

“Eu de mim, se não estivesse amortalhada no sobretudo do meu marido, que vou escovar [o sobretudo], era dele, como a borboleta é da chama...” [CBr. 12, 18 apud MBa 5, 303].

Carlos Nougué, em seu livro Suma Gramatical da Língua Portuguesa, explica que:

Nas orações ADJETIVAS EXPLICATIVAS, o que pode substituir-se pela locução o qual (a qual, os quais, as quais):

O o desta locução é, ele mesmo, diacrítico: surgiu para evitar ambiguidade com respeito a gênero.
O autor desta obra, o qual só obteve reconhecimento tardio...

Atente-se porém à razão por que se usa aqui tão corretamente o qual em lugar de que: se se pusesse que, hesitar-se-ia quanto ao antecedente: esta obra ou o autor? Por isso julgamos de todo procedente a seguinte regra: reserve-se o qual (a qual, os quais, as quais) para os casos em que possa dar-se o menor grau de ambiguidade (em especial quando o relativo se refere a antecedente distante), a menor dificuldade de compreensão imediata ou ainda qualquer necessidade de ênfase, e use-se o que nos demais casos:

CERVANTES, que nasceu no século XVI...;

Multiplicavam-se as corruptelas no LATIM VULGAR falado na península, o qual já havia muito vinha diversificando-se em vários dialetos;

Era HERANÇA dos avós, a qual era preciso salvar;

 Mas os poetas têm “direitos” próprios, decorrentes de sua mesma arte, na qual não se cingem necessariamente às regras gramaticais [aqui se trata de pura necessidade de ênfase];

OBSERVAÇÃO. Quando se trata de orações adjetivas restritivas, como não se pode recorrer a o qual para resolver a dificuldade, muitas vezes se faz necessário dar outro torneio à frase. Ponha-se o seguinte exemplo: “Estive na escola da cidade que fora fundada no início do século”. Se o antecedente pretendido é cidade e esta não tem senão uma escola, então a frase está corretamente construída. Se porém o antecedente pretendido é escola e esta não é a única da cidade, escreva-se então algo como Na cidade, estive na ESCOLA que fora fundada no início do século. Cada caso, todavia, será singular e, portanto, haverá de resolver-se singularmente.

Veja a seguir, a resposta dada no site Ciberdúvidas da Língua Portuguesa à dúvida de um consulente, o qual gostaria de saber se a vírgula colocada após a palavra “corpo”, nos versos abaixo, esclarece que se está referindo ao fogo que aquece e não o corpo.

«Sigo o fogo do teu corpo,
que aquece a noite
e dissipa a cerração.»

A colocação de vírgula proposta na pergunta não surte o efeito pretendido pelo consulente. Na verdade, com vírgula ou sem vírgula, é sempre ambígua a relação de que com o antecedente: este tanto pode ser fogo como corpo. A única coisa que a vírgula pode fazer é transformar a oração (ou frase) relativa restritiva introduzida por que em oração apositiva. De resto, a ambiguidade mantém-se.

Podemos construir casos semelhantes, como os das seguintes frases:

(1) Traz-me o casaco do teu irmão que está na sala.
(2) Traz-me o casaco do teu irmão, que está na sala.

Em (2), a vírgula só indica que a oração relativa é apositiva, acrescentando informação à subordinante, em contraste com a ausência de vírgula em (1), em que ocorre uma relativa que restringe o significado do constituinte “o casaco do teu irmão”. De todos os modos, o pronome relativo não define com clareza se o “que está na sala” é “o teu irmão” ou “o casaco do teu irmão”.
Voltando aos versos da pergunta, o autor poderia ter escrito ”Sigo do teu corpo o fogo/ que aquece a noite...”, recorrendo a uma inversão na ordem dos constituintes, isto é, deslocando o modificador preposicional de nome para esquerda. Assim, conseguir-se-ia perceber o que ele pretende.

Para terminar, a explicação de María Marta García Negroni em seu livro El arte de escribir:

Delante de un que especificativo cuando está separado de su antecedente, particularmente si también puede funcionar como antecedente el sustantivo inmediatamente anterior. Ejemplo:

Aerolito es un fragmento de un bólido, que cae sobre la tierra. (Si se suprime la coma, el que cae puede ser el bólido)

En todos los casos en que es necesario indicar que un elemento se relaciona no con la palabra inmediatamente precedente sino con otra más alejada o con todo el enunciado. Ejemplos:

Obligó a Pedro a hablar, con habilidad.
Cfr.: Obligó a Pedro a hablar con habilidad.
Para que no se desvíe, en su elección, de las normas señaladas.
Cfr.: Para que no se desvíe en su elección de las normas señaladas.
Logró su objetivo, felizmente.
Cfr.: Logró su objetivo felizmente.

Referências:
Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo Bechara.
Suma Gramatical da Língua Portuguesa, de Carlos Nougué.
Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
El arte de escribir, de María Marta García Negroni.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Doquier


Doquier é um advérbio indefinido, a forma apocopada de doquiera que, por sua vez, deriva de dondequiera e significa em qualquer lugar, em qualquer parte. Atualmente é uma palavra praticamente restrita ao âmbito literário, assim como nosso alhures, que significa em outro lugar. Existem também as locuções adverbiais doquier que, que significa onde quer que; e por doquier, que significa por qualquer lugar, por toda parte. Vejamos um exemplo desta última locução num fragmento do romance El Carbonero, de Carlos Soto Femenía:

Las encinas extendían ramas y troncos oscuros hacia arriba, salpicadas, acribilladas por los líquenes; abajo, la roca viva de la montaña, que asomaba por doquier, estaba cubierta por manchas de musgo vastas y dispersas. Verdes, amarillas, de color canela.” 


sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Anedotas de Manolito tradutor

Após passar mais de dez horas sentado diante do computador, Manolito tradutor, veste sua roupa esportiva e diz à esposa:

— Vou dar uma caminhada em volta do bosque, preciso queimar umas gordurinhas.

— Beleza, eu vou terminar de arrumar umas coisas aqui... (mmm... esse negócio de queimar umas gordurinhas acabou de me dar uma ideia!).

Manolito dá lá suas voltas satisfeito enquanto ouve seu audiolivro no fone de ouvido. Quando completa 6 km e seu corpo começa a dar sinais de exaustão, ele pensa sabiamente “é melhor voltar para casa antes que eu sofra uma falência múltipla dos órgãos, exercício é bom em doses homeopáticas.”.

Após subir quatro lances de escada — Manolito tradutor, mora num terceiro sem elevador —, bate à porta, e a esposa atende com um sorriso nos lábios:

— Puxa! Você está vermelhão, hein?

— Vou direto para o chuveiro... hmmm... que cheiro é esse? Parece churras...

— Hehehe... surpresa! Por essa você não esperava, hein? Você é mesmo um homem de sorte, qual é o cara que não gostaria de chegar a casa e ser recebido com um churrasquinho da hora e uma cerveja estupidamente gelada? Levante as mãos para os céus!

— Assim você me quebra no meio... Isso é uma... como é que se diz... aquela palavra quando o cara frustra os planos do outro... quer dizer... eu tentando perder peso e você me faz um churrasco... como é que se diz?

— Delícia?

— Não! Estou falando sério... quando a pessoa faz uma coisa para frustrar os projetos da outra...

— Credo, seu mal-agradecido! Achei que você fosse ficar feliz!

— Sim, eu estou muito feliz, mas a palavra está na ponta da língua, vou dar uma olhadinha no Google...

— Ah, é! Até parece que você vai sentar aí todo suadão... Vai logo tomar seu banho que a carne já está no ponto e a cerveja está trincando.

— Tá, mas você não sabe mesmo a palavra à qual estou me referindo?

— Armadilha?

— Não.

— Arapuca?

— Não.

— Trairagem?

— Não.

— Golpe?

— NÃO.

— Sei lá, vai tomar banho!

— Fui.

Manolito tradutor ensaboa o ‘corpitcho’ enquanto tenta se lembrar da bendita palavra “Putz, é f* quando isso acontece, está na ponta da língua... Você planeja fazer uma coisa... aí a pessoa faz uma coisa para frustrar seus planos... um obstáculo, uma armação... Arrggg... fico doido com isso, assim que eu terminar aqui, vou procurar no Google. Detesto quando minha memória fica me sabotando... sabotando? Uhuu!!! Na mosca!”

Manolito sai peladão todo ensaboado e grita triunfante no meio da sala: 

Sabotagem!!!!!” 

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A importância do registro na tradução

Boa tarde, caros tradutores e afins!

Estou dando uma passadinha rápida por aqui, para registrar uns lampejos sobre um assunto que deve ser considerado na hora de traduzir um texto: o registro.

Quando falamos de registro, referimo-nos à variante linguística condicionada pelo grau de formalidade. Basicamente o registro pode ser formal ou informal. O primeiro se caracteriza por seguir a normativa, evitando termos coloquiais e utilizando linguagem culta. Com esse tipo registro, o autor busca dar um caráter mais solene ao texto e de certa forma mais distante do leitor. Por sua vez, o segundo se caracteriza por um estilo menos rígido e cerimonioso e mais próximo da fala, carregado de coloquialismos e marcas de oralidade. Com esse tipo de registro, o autor busca a proximidade e confidencialidade com o leitor, num tom familiar e espontâneo. Contudo, mesmo no registro informal, é fundamental ser fiel ao original, sem carregar na informalidade quando ela não aparece no texto de partida.

Assim, por exemplo, para dizer que alguém ficou admirado, num registro formal, posso usar: admirado, surpreso, estupefato, perplexo, impressionado, fascinado, pasmo, sem palavras, boquiaberto, etc. Já num registro informal, podemos dizer que ficou de cara, abobado, de queixo caído, abismado, chocado, passado, etc. O principal é tentar manter o mesmo registro do original, sem "formalizar" aquilo que é coloquial nem "coloquializar" aquilo que é formal.

Por incrível que pareça, quanto mais coloquial é o texto, maior a dificuldade do tradutor, isso porque o registro coloquial é marcado por regionalismos, gírias, formas agramaticais e expressões novas e passageiras, difíceis de encontrar em livros e dicionários. Além disso, muitas vezes são restritas a determinados grupos e contextos que só quem faz parte deles pode ajudar esclarecer.

Para ler um artigo sobre a tradução de gíria, clique aqui.

¡Madre mía, estoy flipando! (ou "flipo")

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Cultura: La Catrina o Calavera Garbancera


La Catrina é um ícone da cultura mexicana. Originalmente chamada La Calavera Garbancera, é uma figura criada pelo ilustrador e caricaturista José Guadalupe Posada, famoso por retratar cenas de costumes, folclóricas e críticas sócio-políticas, foi batizada pelo muralista Diego Rivera.

A história de La Catrina começou durante os governos de Benito Juárez, Sebastián Lerdo de Tejada e Porfirio Díaz. Nesse período, começaram a popularizar-se textos escritos pela classe média que criticavam tanto a situação do país quanto a das classes privilegiadas. Os textos, redigidos de maneira zombeteira e acompanhados de desenhos de crânios e esqueletos começaram a ser reproduzidos em jornais chamados de combate.

As caveiras eram retratadas usando roupas de gala, tomando pulque (bebida feita da água-mel extraída do maguey, parecido com um cacto), montadas em cavalos, em festas da alta sociedade ou de um bairro. O objetivo era retratar a miséria, os erros políticos, a hipocrisia de uma sociedade, como ó o caso de “La Catrina”.

A palavra "catrín" definia um homem elegante e bem-vestido, o qual ia acompanhado de alguma dama com as mesmas características; este estilo foi uma imagem clássica da aristocracia do fim do século XIX e início do século XX. É por isso que, ao dar-lhe uma vestimenta desse tipo, Diego Rivera transformou a “Calavera Garbancera” em “La Catrina”.

A versão original é um gravado em metal com autoria do caricaturista José Guadalupe Posada. O nome original é Calavera Garbancera. “Garbancera” é a palavra pela qual se conheciam então as pessoas que vendiam garbanza (uma variedade superior de garbanzos, isto é, grão de bico) que tendo sangue indígena pretendiam parecer europeus e renegavam sua própria raça, herança e cultura. 

Detalhe do mural de Diego Rivera, Sueño de una tarde dominical en la Alameda Central. À esquerda de La Catrina, Diego Rivera (criança) e Frida Kahlo; à direita, José Guadalupe Posada.

A imagem da Catrina está tornando-se a imagem mexicana por excelência sobre a morte, é cada vez mais comum vê-la plasmada como parte de celebrações do dia dos mortos ao longo de todo o país.

Em 2010 a Catrina completou 100 anos de sua criação por José Guadalupe Posada.


www.es.wikipedia.org

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Falso amigo: "latido"


Você sabia que os corações hispânicos “laten”? O que não implica que estes saiam por aí pulando e abanando o rabinho quando estão apaixonados. 

Eis mais um daqueles falsos amigos que pode provocar situações cômicas:

(Espanhol fogoso) —Cuando te veo, mi corazón late muy fuerte.
(Brasileira desconcertada) — Hã, como assim?
Enquanto em português dizemos que nosso coração lateja, palpita, bate; em espanhol, dizemos que nosso coração “late”. Assim, em espanhol, o coração “late” ou dá “latidos” e o cachorro “ladra” ou dá “ladridos”. Aff! Não é que apareceu aí mais um falso amigo? “ladra”, que em português significa mulher que rouba. Mas enfim, voltemos aos latidos...

Vejamos alguns exemplos de uso:

Escuchar los latidos de tu bebé por primera vez es un momento milagroso.

Inmediatamente alerta, abrió los ojos, con el corazón latiendo descompasadamente en su pecho.

(...) mi corazón de pronto empieza a latir las sombras del passado en que viví. (trecho da música “Loco por ti” de Lisardo Guarinos)

Sabia que as onomatopeias, isto é, as palavras que reproduzem os sons, do coração e dos latidos de cachorro também são diferentes?

Em espanhol, costuma-se dizer que o coração faz POM POM POM, enquanto em português se diz que o coração faz TUM TUM TUM. E enquanto nossos cachorros fazem AU AU AU, os cachorros espanhóis fazem GUAU GUAU GUAU e os cachorros portugueses fazem ÃO ÃO ÃO.

Curioso, não? Para ver mais exemplos de onomatopeias em espanhol e português, clique aqui.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

10 expresiones corrientes en Argentina, por Sonia Rodriguez Mella

Antes que nada, quiero agradecer a Diana Sorgato por haberme invitado a colaborar en su blog. Antes de comenzar, me gustaría contarte cuál es mi posición con respecto a los blogueros. Mis primeros contactos con Brasil fueron a través de la música. Eran tiempos en que internet no existía. Si querías ser un conocedor de la música de Brasil, tenías que viajar o limitarte a escuchar a los 4 o 5 íconos de la MPB cuyos álbumes siempre podías encontrar en las disquerías (“Saudade daquelas lojas!”). Cada vez que compraba un LP o K-7 de un determinado artista, siempre incluía la participación de otros, que no siempre eran principiantes, y así fue como pude ir conociendo a cientos de músicos increíbles que compartían escenarios. Esto siempre me pareció de un síntoma de generosidad y seguridad, tanto por parte de quien invita como por parte del colaborador. Por eso me gusta escribir en otros blogs y publicar artículos de otros autores en el mío. ¡Las estrellas están en el cielo!
¡Ahora sí! Aquí te comparto 10 frases populares argentinas:
SER UN ÑOQUI
¡Una expresión que no tiene nada que ver con la gastronomía! Hace referencia a los empleados que los días 29 de cada mes pasan a cobrar el sueldo por un trabajo que no realizaron. Son aquellos acomodados o empleados del Estado que cobran sin desempeñar ninguna función. Ejemplo: Echaron a los ñoquis del Senado, pero se comenta que no todos eran ñoquis.

ESTAR EN EL HORNO
Esta frase se utiliza cuando se está frente a un problema determinado y no es posible solucionarlo. Ejemplo: Tengo que pagar $ 2000 de luz. ¡Estoy en el horno! (no puedo pagarla ahora). También se emplea cuando se hace algo mal y se corre el riesgo de ser reprendido, amonestado, despedido, etc.
ME CORTARON LAS PIERNAS
Se atribuye esta frase a Diego Armando Maradona, quien la utilizó cuando lo expulsaron del Mundial 1994, por haber resultado positivo el control antidoping por el uso de efedrina. En Argentina se usa muchas veces para definir situaciones límite, cuando se siente que se ha cometido una injusticia y que por tal motivo se le impide a una persona continuar por su camino. Esta fue la declaración de Maradona“Créeme que me cortaron las piernas, le cortaron a mi familia, le cortaron las piernas a todos los que estaban a lado mío. No voy a llorar. Se lo prometí a mi mujer y a mis hijas por sobre todas las cosas. Lo único que quiero que le quede claro a toda Argentina es que, no me drogué. Que no corrí por las drogas, que corrí por el corazón y por la camiseta”.

CHAUCHA Y PALITOS
Significa que algo es muy barato o de muy poco valor, o que es muy poco. Ejemplo: Esa cartera la comprás por chauchas y palitos.

ESTAR HASTA LAS MANOS
Frase utilizada para describir la situación sentimental de las personas, más bien para describir el grado de enamoramiento. También empleada cuando se está con mucho trabajo y no hay el tiempo suficiente para hacer todo. Ejemplos: 1) Estoy hasta las manos con Sebastián. 2) No puedo tomar esa traducción, estoy hasta las manos.
IR A TORRAR
Es una forma muy popular de decir “ir a dormir”.  Ejemplo: ¡Che! ¡Pero qué tarde! ¡Me voy a torrar ya!
COMERSE UN GARRÓN –SER UN GARRÓN
Significa tener que soportar una situación poco agradable en forma inesperada. Ejemplo: 1) Llegué al aeropuerto y tuve que esperar 15 horas a que saliera el vuelo. Fue un garrón. 2) Fui al aeropuerto y no sabés el garrón que me comí. Había paro de pilotos y tuve que esperar 15 horas a que el avión saliera.

ANDAR COMO BOLA SIN MANIJA
Tiene su origen en las boleadoras que no podían ser dirigidas a un objetivo específico, que se tiraban al voleo. Significa moverse sin hacer nada efectivo. Ir de un lado a otro sin resolver nada, sentirse perdido, sin saber qué hacer. Ejemplo: En el ministerio, me tienen como bola sin manija hace una semana; voy y vengo con los papeles que me piden pero un empleado me dice una cosa y otro me dice otra.
TOMAR EL BONDI
Entre los argentinos, es una manera de decir “tomar el colectivo” (ómnibus). No debemos confundir esta palabra con el término “bonde”, del portugués, que significa “tranvía” en español. Ejemplo: ¿Viniste en subte o en bondi?
¡DE ACÁ!
Se trata de una interjección, que representa una reacción fuerte de rechazo o negación frente a una situación o propuesta determinada. Se trata de una frase inmortalizada por el actor Alberto Olmedo, utilizada como expresión final de uno de sus personajes más exitosos, el dictador de Costa Pobre. En el sketch, el dictador mantiene total control sobre todos, y al que osa decirle algo que no le gusta, le recrimina por el tono, y si le proponen algo que considera descabellado grita “¡De acá!”, poniendo las manos en la entrepierna.

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Falso amigo: "cena"


Mais uma armadilha do par de línguas espanhol-português: a palavra “cena”, que em espanhol designa a refeição noturna que realizamos diariamente e que em português chamamos de “jantar”. Por sua vez, a palavra “cena”, em português, designa uma passagem de uma representação num enredo, filme ou peça teatral ou ainda numa situação da vida real, quando dizemos algo como “não esqueço aquela cena hilária que ocorreu na padaria...”.

A imagem que ilustra este artigo, por exemplo, mostra a antológica cena “ser ou não ser” do filme Hamlet (1948), dirigido e interpretado por Laurence Olivier.

Assim, ao traduzir um texto do espanhol ao português onde aparece alguma frase como “la cena fue un martirio para mí”, pois aqui está referindo-se a um jantar desagradável e não a uma passagem de uma representação ou a um sucesso. Para referir-se a uma passagem, em espanhol, usamos a palavra “escena”.

Outra palavra da mesma família “cenário” que designa tanto o conjunto de elementos visuais que compõem o espaço onde se realiza uma apresentação quanto o lugar onde transcorre a ação. Em espanhol, chama-se “escenario”, e no teatro, corresponde ao nosso “palco”, em português.

Exemplos:

¡Sentaos de una vez, que la cena ya está lista!

La escena más célebre del Quijote es la de los molinos de viento.

La pequeña bailarina subió al escenario e impresionó a todos con su habilidade.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Píldoras de español: cero + sustantivo


Cero caloría o cero calorías?

Cuando un número cardinal adjetiva un sustantivo, este solo va en singular cuando el número es uno. Con cero, pues, se utiliza el plural: cero grados, cero puntos

Así, la forma correcta es cero calorías.

www.fundeu.es