terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Língua - poema de Gilberto Mendonça Teles



Esta língua é como um elástico

que espicharam pelo mundo.

No início era tensa,

de tão clássica.

Com o tempo, se foi amaciando,

foi-se tornando romântica,

incorporando os termos nativos

e amolecendo nas folhas de bananeira

as expressões mais sisudas.

Um elástico que já não se pode

mais trocar, de tão gasto;

nem se arrebenta mais, de tão forte.

Um elástico assim como é a vida

que nunca volta ao ponto de partida.



Língua é uma poesia modernista, distribuída engenhosamente em versos e rimas livres, que trata da origem e evolução da língua portuguesa.

Gilberto Mendonça Teles (30 de junho de 1931) poeta e crítico literário brasileiro que produziu importantes estudos sobre o modernismo e a vanguarda na poesia, dos chamados "ismos" europeus e seus respectivos manifestos, desde o final do século XIX aos estudiosos e escritores brasileiros do século XX.

Nenhum comentário:

Postar um comentário